e

Incubadoras em pauta

Incubadora de Empresas do IFCE é referência no Nordeste e pretende ser reconhecida por desenvolver e consolidar empresas

comente:

, ,

A primeira incubadora de empresas a funcionar no IFCE foi a do campus de Fortaleza, que já conta com 20 anos de existência e vários cases de sucesso. A incubadora, uma ação pedagógica que oferece suporte aos alunos e egressos dos diversos cursos regulares da Instituição, tem como principal objetivo fazer com que desenvolvam suas ideias e, assim, possam transformá-las em oportunidades de geração de negócios inovadores, que atendam ou induzam demandas do mercado.

Em entrevista à TI Maior, a Coordenadora da Incubadora de Empresas do IFCE – Campus Fortaleza Maria do Socorro Ribeiro da Silva fala sobre como a Incubadora se tornou referência no setor, com destaque para o Nordeste. “A Incubadora tem como visão ser reconhecida em nível nacional como um locus de referência de desenvolvimento e consolidação de empresas”, afirmou. Leia a entrevista:

TI MAIOR – Fale sobre a Incubadora e suas principais áreas de atuação. Qual a data de criação e trajetória?

MARIA DO SOCORRO RIBEIRO DA SILVA - A Incubadora de Empresas do ICE (IE-IFCE) iniciou suas atividades em 1996, na então Escola Técnica Federal do Ceará – ETFCE, através da criação do Núcleo de Inovação Tecnológica – NIT. Dentre as ações projetadas para o NIT foi proposta a criação de uma incubadora de empresas de base tecnológica, cujo anteprojeto foi concluído em 1997. Neste mesmo ano, foi dado início a um projeto de capacitação de docentes para consolidação do empreendedorismo na instituição.

No ano de 1998, com recursos do Banco do Nordeste – BNB, foram construídos dois ambientes para a instalação da Incubadora e de um Balcão Tecnológico.

Em 1999, ocorreu a efetivação estrutural da instituição, que passou a se chamar Centro Federal de Educação Tecnológica (CEFET), celebrando em conjunto com Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas – SEBRAE e BNB, o convênio referente ao Programa Jovem Empreendedor, desencadeando várias ações voltadas ao fortalecimento da formação empreendedora.

A implantação e a consolidação da instituição gerou com o apoio do Programa MEC/PROEP, uma grande expansão na oferta de cursos tecnológicos, levando à reativação do Projeto de Implantação da Incubadora de Empresas.

Com o lançamento do Programa Técnico Empreendedor, a instituição foi contemplada com recursos para implantação da Incubadora, possibilitando a atualização do projeto e capacitação de docentes, do qual resultou o Plano de Negócios da Incubadora.

A Incubadora de Empresas do IFCE (IE-IFCE), que antes se chamava InCefet, foi efetivamente implantada no ano de 2004 com o objetivo de dar continuidade à formação empreendedora, iniciada dez anos antes, pela então Escola Técnica Federal do Ceará, tendo sido concebida como uma ação pedagógica com intuito de inovar e expandir parcerias econômicas e financeiras dos projetos/empresas integrantes do Programa de Incubação, cujo público-alvo são os alunos e egressos desta Instituição.

Entre 2004 e 2005, foram iniciados 18 projetos na modalidade de Pré-Incubação que, em parceria com o SEBRAE, teve fundamental importância para alavancar o potencial da formação empreendedora do público-alvo, bem como para a consolidação da Incubadora.

Devido a parcerias como a do Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (SEBRAE) e da Rede de Incubadoras de Empresas do Ceará (RIC), foi possível a realização de inúmeros serviços para as empresas incubadas, como capacitação, consultorias e, até mesmo, participação em eventos e feiras.

Maria do Socorro Ribeiro da Silva, Coordenadora da Incubadora de Empresas do IFCE – Campus Fortaleza

A Incubadora de Empresas do IFCE tem como Instituição Mantenedora o Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará, sendo do tipo Mista, e abriga empreendimentos do setor tradicional, produtos, serviços e também de base tecnológica.

É uma Incubadora jovem que está em atividade há 12 anos e, desde então, tem assumido um papel relevante dentro da instituição, como uma ação pedagógica de formação empreendedora voltada a alunos e ex-alunos do IFCE, cuja missão é contribuir de forma sustentável para o desenvolvimento do Ceará, na criação de empresas inovadoras, por meio das atividades estruturadas e ambientes empreendedores. A Incubadora tem como visão ser reconhecida em nível nacional como um locus de referência de desenvolvimento e consolidação de empresas.

No ano em que comemorou sua primeira década de funcionamento, a Incubadora de Empresas do campus de Fortaleza do IFCE foi selecionada pela UBI – Index, em 2014, como um dos 300 melhores programas de incubação de empresas do mundo. A lista, elaborada pelo instituto de pesquisa sueco UBI Index, divulga anualmente um ranking com as ações que são referências em processos de incubação em todo o mundo.

Considerada um agente facilitador do processo de transformação de conhecimento em produtos voltados para o mercado, a incubadora se destaca por: incentivar o desenvolvimento tecnológico do Ceará, fomentar a cultura empreendedora e de inovação e ampliar a integração entre o IFCE e as empresas.

TI MAIOR – Quais os principais Projetos da Incubadora? Cite, por favor.

MARIA DO SOCORRO RIBEIRO DA SILVA – Seguem abaixo os principais projetos:

INSTITUIÇÃO FINANCIADORA OBJETIVOS PNI/PRONINC 03/2009 – Apoio à inserção no mercado das empresas incubadas, através das ações da incubadora do Ceará.

FINEP – Atrair novos empreendedores e inseri-los no ambiente de inovação tecnológica, gerando mais emprego e renda, além de criar novos produtos de elevado valor agregado. Ressaltando ainda a parceria do IFCE com o PAQTC-PB, com o objetivo de induzir e viabilizar o crescimento e o sucesso da base de empreendimentos inovadores do Nordeste.

PNI/INCUBADORAS 12/2010 – Integração em prol do crescimento de negócios inovadores nas incubadoras do Nordeste.

TERMO DE REFERÊNCIA DA REDE DE INCUBADORAS DE EMPRESAS DO CEARÁ/SECITEC – Fortalecimento da Rede de Incubadoras de Empresas do Ceará e de suas Incubadoras Afiliadas.

CHAMADA MCTI/CNPQ N° 61/2013 – APOIO A PARQUES TECNOLÓGICOS E INCUBADORAS DE EMPRESAS – Implantação do Núcleo de Apoio ao Desenvolvimento de Tecnologias (NDT) CNPq. Facilitar o desenvolvimento de novos produtos, processos, sistemas ou serviços; disponibilizar infraestrutura para a realização de cursos, palestras, congressos; qualificar e vivenciar profissionais através de ferramentas tecnológicas; instrumentar empresas incubadas.

TI MAIOR – Quais os principais meios de investimentos dos projetos e da Incubadora?

MARIA DO SOCORRO RIBEIRO DA SILVA – Os nossos “meios investimentos” são através dos projetos e das parcerias, e até mesmo das articulações que fazemos. Nós investimos em nossos projetos/empreendimentos, garantindo a eles toda uma infraestrutura e um apoio técnico-gerencial necessários para estimular os empreendedores que estão começando, principalmente, para os pequenos negócios.

TI MAIOR – Quais as principais áreas estratégicas da incubadora?

MARIA DO SOCORRO RIBEIRO DA SILVA - O órgão responsável pelo processo de geração de empreendimentos inovadores hoje, no IFCE, é a Incubadora de Empresas. Seu ramo de atuação abrange desde as ações de difusão do Empreendedorismo Inovador entre alunos, egressos e professores. A Incubadora é do tipo mista, atendendo, por isso, a diferentes segmentos, mas com a maioria das empresas atuando em Tecnologia da Informação e Economia Criativa. Assim, em decorrência disso, tem boa interações com os laboratórios especializados nessas áreas de conhecimento. Logo, as principais áreas são:

Ações do projeto FUNCAP – IE-IFCE: Contribuir para o cumprimento de suas diretrizes estratégicas (missão, visão, valores): essa ação constante no Plano de Trabalho e/ou Plano de ações, do Projeto Fortalecimento da Rede de Incubadoras de Empresas do Ceará e de suas Incubadoras Afiliadas, foi realizada pela Incubadora de Empresas do IFCE com os recursos do Projeto FUNCAP, contribuindo para a melhoria da prestação de serviços às empresas integrantes do Programa de incubação do IFCE, por parte da Incubadora. Para atingir essa meta, foram realizadas consultorias/assessorias discriminadas. Leia:

– Consultoria/assessoria em Planejamento Estratégico da Incubadora do IFCE, atendendo o Modelo CERNE, no Eixo Gestão, objetivando a elaboração do Planejamento Estratégico da Incubadora;

– Consultoria/assessoria em Marketing para a Incubadora do IFCE, atendendo o Modelo CERNE, no Eixo Mercado;

– Consultoria/assessoria em Planos de Negócios para a Incubadora do IFCE e para as empresas aprovadas no Edital 01/2015, atendendo o Modelo CERNE, no Eixo Gestão;

– Consultoria jurídica para a Incubadora do IFCE;

– Consultoria/assessoria para criação de Identidade Visual para a Incubadora;

– Consultoria em Gestão Ambiental para a Incubadora.

– Buscar o desenvolvimento das empresas pertencentes ao Programa de Incubação do IFCE, por meio da troca de experiência e da busca pela inovação:

Para tanto, oferecemos aos nossos empresários a participação deles em todos os cursos/capacitações e treinamentos oferecidos pela RIC, por meio da otimização, ou seja, todos os treinamentos e capacitações das Incubadoras Afiliadas à Rede eram disponibilizados a todos os empresários.

Incubadora de Empresas do IFCE

Participação de empresários na XV Conferência ANPEI, realizada em Recife-PE e na XXV Conferência da ANPROTEC, realizada em Cuiabá-MT, em 2015

– Promover a prospecção de novos empreendimentos potencialmente viáveis ao mercado. Tínhamos como meta incubar seis novos empreendimentos que seriam prospectados através do Edital 01-2015. Porém, por conta do Edital ter sido lançado em novembro-2015 e em razão das diversas greves de professores da Instituição, não pudemos alcançar com 100% de êxito em nossa empreitada. Conseguimos prospectar apenas três novos empreendimentos.

– Em compensação, o Projeto FUNCAP contribuiu para que a Incubadora de Empresas do IFCE pudesse prestar melhores serviços, impulsionar suas empresas e fazer a inserção de seis novos empreendimentos no mercado. Foram graduadas, no período de 2015-2016, seis novas empresas.

– Aumentar o seu contingente de recursos humanos qualificados, por meio de bolsas de transferência de tecnologia; (não fomos contemplados com Bolsas).

Certificar-se na Metodologia CERNE

A Incubadora de Empresas do IFCE já está estruturada para a implantação da Metodologia CERNE. Todas as consultorias/assessorias, bem como os treinamentos e capacitações foram baseados na metodologia CERNE. Por ocasião da realização do VERINE, toda a Equipe gestora da Incubadora capacitou-se nos Cursos Cerne 1 e Cerne 2, oferecidos pela Rede de Incubadora de Empresas do IFCE.

TI MAIOR – Como é feita a seleção de projetos/empresas?

MARIA DO SOCORRO RIBEIRO DA SILVA – É feita através de Edital.

TI MAIOR – Quais os principais projetos que foram desenvolvidos e renderam frutos?

MARIA DO SOCORRO RIBEIRO DA SILVA – A Incubadora de empresas do campus de Fortaleza conseguiu a importante marca de graduar cinco empresas incubadas no primeiro semestre de 2016. Foram elas: Convermídia Soluções Tecnológicas, Freeway Traffic Solutions, PolivalenTi Tecnologia e Inovação, DAT Tecnologia com Inovação e VAAG Ideias e Soluções Tecnológicas.

O sucesso dos empreendimentos se deve ao esforço dos estudantes e ao apoio que o IFCE oferece aos projetos. Todos os projetos que passaram por aqui e que foram graduados estão no mercado consolidados. Um dos casos de maior sucesso da IE-IFCE é o do Tablet em Braile da AED Tecnologia, empresa voltada para o desenvolvimento tecnológico de produtos ligados à automação e eletrônica, responsável pelos projetos Mototaxímetro, Fortáxi e do Portáctil (tablet em braile), sendo este último um projeto institucional vinculado ao Ministério da Educação.

Desta forma, temos ao todo nove empresas graduadas:

– Siara Turismo, Imagine Comunicação Digital, AED Tecnologia, Linha Laranja, Freeway Traffic Solutions, PolivalenTI Tecnologia e Inovação, Convermídia Soluções Tecnológicas, DAT Tecnologia com Inovação e VAAG Ideias e Soluções Inovadoras.

TI MAIOR – Quais os projetos/empresas novos?

MARIA DO SOCORRO RIBEIRO DA SILVA – Temos atualmente três novos projetos e todos são de Tecnologia da Informação. Duas empresas pré-incubadas são: Control Nerd, Internet das Coisas e uma Incubada residente, a NilFrame.

TI MAIOR – Quais as maiores dificuldades enfrentadas?

MARIA DO SOCORRO RIBEIRO DA SILVA – Todas, principalmente a falta de recursos humanos. Eu trabalho sozinha.

Eu tenho bolsistas que mudam a cada seis meses, o que dificulta muito o meu trabalho tendo em vista a alta rotatividade de mão-de-obra. Quando eles começam a aprender o mecanismo todo, a bolsa acaba.

TI MAIOR – Como o governo poderia se tornar mais participativo e beneficiar a incubadora?

MARIA DO SOCORRO RIBEIRO DA SILVA – Faz-se necessário políticas públicas mais elaboradas e concretas, objetivando um envolvimento maior e o aumento da capacidade inovadora das empresas por meio de pessoal qualificado e também investimento em P&D. A Incubadora é um importante mecanismo de interação e geração de empresas, renda, desenvolvimento sustentável, que precisa ser apoiada por políticas públicas, principalmente nas etapas de planejamento e implementação