Artigo

Colaborando para construir uma TI brasileira mais forte

Rubén Delgado fala dos próximos projetos da Softex e como será o seu novo mandato

comente:

, , , ,


Rubén Delgado, presidente da Softex


Após dois anos à frente da presidência da Associação para Promoção da Excelência do Software Brasileiro, fui reeleito para o cargo de presidente da entidade para o período 2016/2017 em reunião do Conselho de Administração realizada durante o Rio Info 2015.
Neste primeiro mandato, pude constatar de perto a importância da elaboração e da execução de políticas públicas para que o setor brasileiro de Tecnologia de Informação se consolide e possa se tornar cada vez mais um player global.

O trabalho que vem sendo realizado há anos pela Softex está voltado para esse objetivo. Hoje, a entidade é responsável pela gestão e pela implementação de uma série de importantes programas com foco no fortalecimento da TI nacional nas áreas de inovação, empreendedorismo, qualidade no desenvolvimento de software e serviços, inteligência comercial, capacitação de empresas e de pessoas. E todos eles refletem a nossa busca permanente pelo aumento da competitividade das empresas nacionais.

Vale lembrar que todos essas ações beneficiam o ecossistema nacional de TI como um todo e terão continuidade ao longo dos próximos anos. A Softex seguirá atuando de uma forma cada vez mais colaborativa e sustentável no sentido de gerar mais valor para esse segmento tão estratégico para a economia do país.

Daremos sequência ao processo de implementação das sete diretrizes principais que pautam o trabalho da Softex: disseminação e auxílio à implantação das melhores práticas em desenvolvimento de software; capacitação de recursos humanos para o setor; auxílio à obtenção de recursos financeiros junto a fontes públicas e privadas; produção e disseminação de informações qualificadas sobre a Indústria Brasileira de Software e Serviços de TI; apoio ao empreendedorismo e à inovação; auxílio para a formulação de políticas de interesse do setor; e apoio à criação e ao desenvolvimento de oportunidades de negócios tanto no Brasil como no exterior.

Em conjunto com a nossa rede de 22 Agentes Regionais, fomentaremos a criação de novos negócios com potencial global a partir do mapeamento das áreas nas quais o país pode ser competitivo no mercado internacional. O programa Brasil Mais TI, de estímulo à formação de novos profissionais para o setor, incorporará em sua grade temas de empreendedorismo e novas trilhas de desenvolvimento de pessoas de acordo com as demandas do novo mercado. Também resgataremos a força dos estudos do núcleo de inteligência do software brasileiro – antigo Observatório Softex, para gerar estudos de valor para os três eixos da tripla hélice: academia, empresas e governo.

Em relação à qualidade, daremos continuidade ao MPS.BR – Melhoria de Processo do Software Brasileiro, modelo que promove a qualidade das empresas que o adotam e que foi desenvolvido em conformidade com as normas internacionais de qualidade ISO/IEC 12207 e 15504. Mais de 650 organizações dos mais diversos portes já foram avaliadas por esse programa que conquistou a internacionalização e conta com o apoio do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) para a sua propagação em outros países da América Latina e do Caribe.

Na área de funding, vamos priorizar a parceria com o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), que torna a Softex a única entidade credenciada para realizar a pré-avaliação de projetos, buscando recursos através da linha de crédito Prosoft, exclusiva para empresas do setor de TIC.

Para o próximo ano, nosso plano de trabalho inclui ainda a abertura de mais turmas do TI de Impacto – Programa de Capacitação Empresarial para o Desenvolvimento da Estratégia de Inovação da Softex em conjunto com uma rede de parceiros; o lançamento da ferramenta Intelectus para mapear as pessoas competentes dentro da academia e com potencial para trabalhar o tema software; o estímulo à internacionalização seguindo os conceitos da metodologia Lean Startup, que envolve a identificação e a eliminação sistemática de desperdícios; o fomento ao desenvolvimento do setor de TI com foco em atender a demanda da indústria 4.0 e a ampliação da capilaridade da Softex com a ampliação da rede de Agentes Regionais

É importante destacar que a Softex é um sistema que conta com o apoio institucional e financeiro de diversos parceiros, incluindo ABES, ABDI, Abinee, Abragames, ABVCAP, Apex-Brasil, Anprotec, Assespro, BID, BNDES, Brasscom, CNI-SESI-SENAI, CNPq, Embrapa, Fenadados, Fenainfo, Finep, Frente Parlamentar de Informática, IBGE, INPI, SBC, Sebrae, Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI), Ministério das Comunicações (MinCom), Ministério da Cultura (MinC), Ministério de Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC), Ministério das Relações Exteriores (MRE) e Ministério do Trabalho e Emprego (MTE).

A sinergia nas ações de todas essas instituições e entidades é um fator decisivo para o sucesso da TI brasileira tanto no mercado interno como na conquista de espaços importantes para o país nos principais mercados mundiais. É nesse sentido que a Softex caminhará nos próximos anos.

Veja a entrevista de Rubén Delgado para a TI Rio TV

<>