Seção Incubadoras

Incubadora de Empresas da COPPE-UFRJ é uma das pioneiras do setor de TI

comente:

, ,

Nesta edição da TI Maior, Lucimar Dantas, a Coordenadora de Empresas da Incubadora COPPE/UFRJ, falou sobre a sua trajetória, uma das pioneiras do setor de TI. A Incubadora fica instalada numa das universidades mais importantes do país, a Universidade Federal do Rio de Janeiro.

Confira a entrevista:

TI MAIOR – Fale sobre a incubadora e suas principais áreas de atuação. Qual a data de criação e trajetória?

Lucimar Dantas – Fundada em 1994, a Incubadora de Empresas da COPPE/UFRJ é um ambiente especialmente projetado para estimular a criação de novas empresas baseadas no conhecimento tecnológico gerado em grupos de pesquisa localizados na UFRJ. Esse ambiente proporciona o desenvolvimento de empresas que ofertam produtos e serviços com conteúdo inovador e de alto valor agregado. Atualmente, a Incubadora conta com 26 empresas residentes e 63 graduadas.

A Incubadora de Empresas da COPPE/UFRJ tem como objetivo estimular a criação de novas empresas baseadas no conhecimento tecnológico gerado na universidade, laboratórios e grupos de pesquisas.

 

ilustraçao-principal

Lucimar Dantas

Resultados da Incubadora 2015:

57 empresas graduadas e 28 startups da Incubadora da COPPE fecharam 2015 com faturamento de R$ 288 milhões, montante similar ao de 2014, de R$ 289 milhões.

As empresas geraram, no ano passado, 1272 postos de trabalho altamente qualificados, sendo 20% de mestres e doutores. A Incubadora tem como objetivo incentivar o empreendedorismo e a transferência de conhecimentos gerados em pesquisas acadêmicas para criação de novos serviços e produtos tecnológicos.

TI MAIOR – Quais os principais projetos (empresas/programas) da Incubadora? Cite, por favor.

Lucimar Dantas – A Incubadora tem 26 empresas residentes e conta com programas e serviços de desenvolvimento para os negócios incubados.

Alguns programas e serviços:

Programa Decolar – Os serviços de desenvolvimento dos negócios incubados são denominados Programa Decolar. As ações são desenvolvidas em cinco eixos: Mercado, Capital, Gestão, Empreendedor e Tecnologia, e são trabalhadas através de assessoria individual, capacitação e acompanhamento.

Programa de Mentoring – O Instituto COPPEAD/UFRJ de Administração, através de sua associação de ex-alunos – a ALUMNI –, apoia a Incubadora no desenvolvimento do programa Mentoring. Na atividade, ex-alunos com forte atuação no mercado de trabalho orientam empresários residentes em seus desafios estratégicos. O programa proporciona uma oportunidade para o mentor retornar o conhecimento adquirido na instituição e oferecer sua experiência de mercado para jovens empreendedores, além da ampliação de networking.

Empurra que vai – O Empurra que vai é um concurso de ideias de negócios inovadores para a comunidade da UFRJ, uma oportunidade para quem tem uma ideia de negócio inovador e precisa de um empurrãozinho extra para sair do papel.

Radar Tecnológico – O Radar Tecnológico é um programa de prospecção de tecnologias desenvolvidas nos laboratórios da UFRJ com potencial para se tornarem negócios promissores.

Capacitações – As capacitações complementam as assessorias individuais e são oportunidades ricas para troca de experiência entre as empresas. A Incubadora oferece uma agenda fixa de encontros quinzenais, quando são compartilhados conhecimento e informações na área de negócios e de interesse comum.

Demoday – A incubadora realiza um Demoday anual no segundo semestre e também abre oportunidades de interações entre as empresas e investidores ao longo de todo ano.

ilustraçao-principal

Incubadora COPPE/UFRJ

Empresas residentes:

Ativatec – Atua na área de robótica submarina para Petróleo e Gás com foco em tecnologias de vistoria, intervenção e controle no equipamento de produção em águas profundas.

ARES – A ARES é uma empresa da área de tecnologia que atua no segmento de jogos para educação.

ATOMUM – Empresa que realiza avaliação de processos industriais usando radiotraçadores.

Beefleet – A empresa desenvolve soluções inovadoras para o compartilhamento de infraestrutura no setor de telecomunicação.

Bio Repair – Fornece enxerto ósseo biológico para utilização em procedimentos cirúrgicos odontológicos e de recuperação óssea em geral.

Biotecam – A Biotecam desenvolve tecnologias para o aumento da eficiência de sistemas de tratamento de efluentes para estações de esgoto. Atua também em unidades que queiram eliminar passivos ambientais e transformar resíduos em retorno financeiro.

CELLEN – Terapia celular para animais (células-tronco para animais).

CUG Consultoria – A CUG é uma empresa de consultoria para empreendimentos imobiliários.

EasySubsea – A EasySubSea é uma empresa de desenvolvimento de produtos e serviços para o segmento de monitoração e controle de poços de petróleo.

EDB Renováveis – A EDB Renováveis desenvolve e executa projetos de geração de energia solar fotovoltaica (eletricidade solar) e presta serviços de consultoria sobre o setor.

Engset – A Engset desenvolve tecnologias de suporte à decisão em projetos de engenharia. Com a ajuda de ferramentas computacionais, técnicos e engenheiros têm seus trabalhos facilitados, possibilitando a redução de custos e de tempo, sem deixar a segurança e a precisão de lado.

Geonumérica – A Geonumérica realiza atividades de consultoria, integração de dados geofísicos/geológicos e simulação computacional.

GT2 – A GT2 Energia oferece uma solução robótica para inspeção visual de caldeiras (trocadores de calor) para instalações industriais.

INDNAV – Desenvolvimento de veículos robóticos e ferramentas robóticas para as inspeções e intervenções, em instalações industriais de produção de petróleo e gás, offshore e subsea e outras instalações que requeiram tais tecnologias.

Koios – A empresa Koios comercializa impressoras 3D e fornece soluções para impressão para ambientes domésticos e pequenos escritórios.

LEMOBS – A LEMOBs desenvolve sistemas de suporte à decisão desenvolvidos com tecnologia orientada a modelos, que suporta grandes volumes de dados e que tem potencial de utilização em plataformas web e móvel.

Media Glass – A Media Glass desenvolve aplicativos para tecnologias vestíveis, tais como óculos e relógios inteligentes. A empresa foca atualmente no mercado de logística e é pioneira no Brasil em apps para vestíveis.

NetCommerce – A Netcommerce gerencia um marketplace de cosméticos para atender o mercado nacional de pequenos salões de beleza. A empresa possui expertise tecnológica em comércio eletrônico com foco em inteligência, mineração de dados e estratégias de mercado.

Optimatech – A OptimaTech é a empresa de tecnologia do futuro do setor sucroenergético.

Open Labs – A Open Labs é uma spin-off da Portugal Inovação Telecom, empresa que atua como fábrica de tecnologia e inovação para os grupos Oi (Brasil e Portugal Telecom). O principal objetivo da empresa é transformar pré-produtos, protótipos e provas de conceito em produtos e serviços que possam ser rapidamente comercializados nos mercados brasileiros e internacional.

PETREC – A PETREC oferece soluções de imageamento sísmico para reservatórios do pré-sal a partir do desenvolvimento de ferramentas computacionais e algoritmos proprietários.

TGR – A TGR mede a qualidade, reporta indicadores e, assim, propicia a otimização de investimentos para as redes das operadoras fixas e móveis.

TR Subsea – A TR Subsea é uma empresa de base tecnológica que desenvolve soluções em robótica e simulação para suporte a operações submarinas.

TWIST – A TWIST oferece serviços de integração de dados e ferramentas de inteligência de negócios. Seu produto de integração permite o acesso a informações independentemente da localização, formato ou tecnologia de armazenamento.

Vidya – A Vidya trabalha com foco na solução de problemas de corrosão de equipamentos e unidades industriais. Oferece serviços de análise, instalação de cupons, sondas e equipamentos de monitoramento.

Wikki – Aplica, treina, oferece suporte e desenvolvimento do OpenFOAM® para solução de problemas em Fluidodinâmica Computacional e transferência de tecnologia.

TI MAIOR – Quais as principais áreas estratégicas da Incubadora?

Lucimar Dantas – Os setores que a Incubadora atende são as próprias competências que a UFRJ possui excelência e a maioria das inovações apresentadas é de base tecnológica. Buscamos o empreendedor que desenvolve inovação e que possa interagir de alguma forma com a Universidade. Tipicamente, o empreendedor é um aluno de doutorado.

ilustraçao-principal

Lucimar Dantas

TI MAIOR – Como é feita a seleção de projetos/ empresas?

Lucimar Dantas – O processo de abertura de vagas para a Incubadora se dá por meio da publicação de editais se seleção, ao menos uma vez por ano. Os critérios para a escolha são: grau de inovação do produto ou serviço, potencial de interação com a UFRJ e viabilidade técnica e econômica. O grupo tem que mostrar também um perfil de empreendedorismo. A empresa precisa ter competência técnica para tocar o negócio e um traço empreendedor para ter sucesso rapidamente. Apesar de se tratar da Incubadora do Coppe/UFRJ, não há restrição para participação de empresas que não tenham, entre os sócios, alunos da entidade.

O processo de seleção é constituído pelas seguintes etapas: inscrição, entrevista e apresentação de proposta. Mas, para participar do processo de seleção, não é necessário ter uma empresa formalmente constituída. Projetos também são aceitos na etapa do processo seletivo.

TI MAIOR – Quais os principais projetos que foram desenvolvidos e renderam frutos?

Lucimar Dantas - As empresas que, atualmente, estão incubadas já possuem estruturas de negócios capazes de desenvolver sua área comercial. Em relação às empresas já graduadas, podemos destacar quatro delas que, atualmente, possuem sólida estrutura de negócios e participação relevante em suas áreas de atuação. São elas: Visagio, Ambidados, Confiance Medical e Elo Group. Todas também foram reconhecidas pela Associação Nacional de Entidades Promotoras de Empreendimentos Inovadores (ANPROTEC) com premiações nacionais de empreendedorismo inovador.


TI MAIOR – Quais os projetos/empresas novos?

Lucimar Dantas - As empresas mais recentes são: INDNAV, Media Glass e ARES.

TI MAIOR – Quais as maiores dificuldades enfrentadas?

Lucimar Dantas - Existe uma questão que é a continuidade nas ações de fomento existentes. Não há previsibilidade dos apoios, o que dificulta o planejamento financeiro da Incubadora. Sabidamente, o modelo de Incubadora não é autossustentável, e necessita de apoio externo para a equação financeira. Esse é um modelo que se repete no mundo todo.

TI MAIOR – Como o governo poderia se tornar mais participativo e beneficiar o modelo de Incubadora?

Lucimar Dantas - Os programas governamentais de apoio às incubadoras promovidos pelas agências de fomento deveriam ser integrados para alavancagem dos recursos disponíveis, além de uma agenda de apoio permanente