Intervalo

Streaming Concert Hall

comente:

, ,


Márcio GirãoMárcio Girão


Sábado, 15h, num apartamento no Rio de Janeiro. Terminado o almoço, fomos todos, vinho renovando as taças, assistir um concerto ao vivo da Filarmônica de Berlim. Na sala, uma smart-TV ultra-HD de 75 pol., ligada em cabo digital (HDMI) a um potente amplificador Yamaha, por sua vez conectado a cinco caixas Mirage em sistema surround emulando uma sala de concerto por meio de sofisticadas técnicas acústicas.

Baixadas as cortinas, ligamos o sistema e, mágica, adentramos no Digital Concert Hall, nova sede de uma das mais famosas orquestras do mundo.

Há 50 anos, um dos melhores pianistas de todos os tempos, o canadense Glenn Gould, avesso a concertos ao vivo por achá-los deturpadores do processo artístico, profetizou: “O hábito de ir a ou dar concertos, como uma instituição social e símbolo do mercantilismo musical, estará tão adormecido no século XXI quanto o vulcão do arquipélago Tristan da Cunha” (um dos lugares mais ermos do planeta).

Claro que, para ele, a tecnologia responsável por esse fenômeno estaria associada à gravação em áudio das performances artísticas. Hoje, entretanto, esse paradigma foi deslocado por novas e disruptivas tecnologias de distribuição de conteúdo artístico em geral, tais como:

– Sofisticadas câmeras de vídeo em altíssima definição e arranjos de microfones para captação de áudio de forma cada vez mais realística em relação ao som ambiente;
– Complexos e eficientes algoritmos acústicos de tratamento do sinal sonoro;
– Compactação drástica das mídias (mp3 etc.);
– Telecomunicações em alta velocidade;
– Métodos supereficientes de distribuição de sinal digital online (streaming);
– Roteadores e mobilidade em alta velocidade (banda larga, 4G e o que virá adiante);
– Aparelhos especiais de captação do sinal digital e sua reprodução nos amplificadores e TV (ex. Chromecast, Apple TV etc.) e as smart-tv;

Ou seja, estava tudo pronto para o surgimento das Salas de Concerto Virtuais, ou, o que podemos denominar internacionalmente como Streaming Concert Hall.

Digital Concert Hall

Em 2008, a primeira delas surgiu na Alemanha a partir da renomada Orquestra Filarmônica de Berlim, denominada apropriadamente de Digital Concert Hall. Hoje, com mais de 25.000 subscrições pagas (15 euros mensais) em todo o mundo, inclusive deste articulista, garante-se a sustentabilidade da orquestra. Além dos concertos ao vivo, os aplicativos permitem acesso a um enorme e precioso acervo de concertos da filarmônica, incluindo, é claro, a maior parte de von Karajan.

Glenn Gould

Glenn Gould preferia a gravação fora das salas de concerto por obter assim máximo controle sobre sua interpretação, em vez das performances imprevisíveis dos concertos ao vivo. Com as salas virtuais esse problema se amplifica, pois, em vez de uma plateia pequena e controlada, cada músico terá agora diante de si dezenas de milhares espectadores cujas reações ele não pode medir, nem por eles ser aplaudido ou até vaiado. Isso os fará tremer!

Principais Streaming Concert Hall

Mostraremos a seguir, algumas das principais salas de concerto que distribuem streaming de músicas, algumas delas apenas virtuais, outras uma extensão das salas reais (fontes: revista Gramophone, Wikipedia).

Arte Concert
De origem europeia e gratuita, abrange uma variada programação cultural de mais de 600 horas de gravação, inclusive música, distribuída em alta definição.

Bergen Philharmonic
Orquestra norueguesa que oferece, gratuitamente, seus concertos ao vivo e que ficam disponíveis por 30 dias para serem assistidos.

Berlin Philharmonic
Já comentada acima, embora paga, uma das melhores opções para assistir concertos ao vivo em altíssimo nível e um enorme acervo de concertos, filmes e documentários, alguns grátis, sobre música.

Bayerische Staatsoper

Uma das principais casas da Alemanha (Munique), oferece gratuitamente performances, apenas ao vivo, de ballet e ópera, bem como das execuções da orquestra Bavarian State Opera. Em 2017 são estes os primeiros cinco programas (v. link) ao vivo e distribuído por streaming.

Detroit Symphony
Por uma contribuição única e mínima de 50 dólares, tem-se acesso às cerca de 25 apresentações ao vivo dessa orquestra e ao acervo disponível por três anos de cada apresentação.

Gothenburg Symphony Orchestra
Gotemburgo, Suécia, abriga essa excelente orquestra que expõe via streaming, em aplicativo específico, seus principais concertos (de 3 a 4 por mês) que ficam disponíveis por 30 dias. Diferentemente da Digital Concert Hall (Berlim) que construiu um prédio “digital”, esta sala de concerto usa uma solução mais simples, porém, de qualidade impecável de distribuição: Decca tree, que se constitui em três microfones especiais dispostos acima da orquestra, com eventuais apoios de microfones locais.

Gürzenich Orchestra Cologne
Sediada na cidade de Colônia, Alemanha, fundada em 1827, oferece concertos selecionados na página GoPlus.

International Contemporary Ensemble
Originada em Chicago (EUA) mas também presente em NY, a orquestra foi fundada em 2001 e se especializou em música contemporânea, tendo executado mais de 500 composições como première. Sua página DigitICE oferece a biblioteca de mídia digital em streaming.

Jacobs School of Music
Localizado na Universidade de Indiana (EUA), trata-se de um conservatório de música com mais de 1600 estudantes. Em sua página IUMusic oferece seus espetáculos de música e ballet ao vivo bem como os já executados (dentre esses vale ver a interpretação magistral da Suite Quebranozes pelos seus alunos).

Medici TV
Trata-se de uma plataforma para distribuição de vídeos musicais por streaming, a maior parte pagos numa subscrição que varia de 7,0 a 12,9 dólares mensais. Além de transmissão de espetáculos ao vivo (mais de 100 por ano), cobre grandes competições internacionais de música e contém um vasto catálogo (mais de 1600) de concertos, óperas e documentários musicais. Atenção: o XV International Tchaikovsky Competition´s Webcasts é gratuito e imperdível.

Metropolitan Opera
Dispensa apresentações a famosa casa de espetáculos de NY fundada em 1880. É a maior organização de música clássica dos EUA. Foi pioneira na apresentação de seus espetáculos ao vivo em cinemas do mundo inteiro. Agora está disponível em streaming ao preço de 14,99 dólares por mês incluindo em aplicativos móveis contendo mais de 600 performances.

Müpa, Budapest
Complexo de artes, teatro e museu, fundado em 2005, localizado em Budapeste, Hungria, contém uma sala de concertos e também transmite seus espetáculos por streaming.

The Opera Platform
Para os amantes da ópera, uma espetacular plataforma de streaming gratuita de espetáculos de várias casas de ópera (15) e parceria com a Opera Europa que representa 155 companhias de ópera e festivais (veja a lista).

Royal Concertgebouw Orchestra
Uma das melhores do mundo, fundada em 1888 e localizada em Amsterdam, Holanda, transmite de seu Concert Hall uma extensiva coleção de seus espetáculos ao vivo.

Wiener Staatsoper
Tradicional casa de ópera vienense, oferece espetáculos ao vivo e seu acervo de mais de 300 obras por 16,9 euros mensais. Permite aplicativos de mobilidade.

Finalizando…

Esta lista já deve estar incompleta pois surgem novas alternativas a cada mês, sem falar nas pérolas musicais encontradas no youtube e equivalentes. Portanto, arme-se para o prazer de ouvir a boa música quase como se estivesse ao lado dos artistas.

Claro que a qualidade depende de seu bolso e disposição em esvaziá-lo. Um bom fone de ouvido ligado ao seu celular é um bom começo. O olimpo é uma enorme TV (smart e 4k) ligada a um sistema surround, sem esquecer que o que se ouve vem das caixas de som, logo, é aí em que se deve priorizar os gastos. O resto é a mágica transformação do físico (ondas sonoras, ouvidos e neurônios) no sensorial que é onde se distingue um Mozart de um Salieri